quinta-feira, julho 30, 2009

A GRIPE SUÍNA SEGUNDO EU!




Passei momentos horríveis quando minha filha chegou de Brasília com a tal Influenza A ou a famosa gripe "suína". Que de suína não tem nada. Imagine que os infectologistas acham que a mesma é parecida com a gripe comum. Digo-lhes que não é. Ela está mais para a dengue grave do que para uma gripe comum. Os sintomas são muito ruins, as dores no corpo, o abatimento, a febre altíssima, a falta de ânimo...muito mais fortes. O máximo que eu vi durante os dias que minha filha esteve doente, foi o despreparo dos médicos que a atenderam num hospital particular de grande fama. A pessoa chega lá informando que teve contato com pessoas doentes e positivas, simplesmente além desses médicos e toda a equipe de emergência do hospital, atendiam sem ao menos usarem máscaras. Num ambiente que todos os doentes que ali se encontravam poderiam ser infectados também com o vírus A. E em seguida, depois da minha filha passar das 10:30 até 19:00h, lá usando um soro com corticóide, eles mandaram minha filha para casa dizendo que não era a gripe A e que se ela piorasse voltasse lá. Passaram antibiótico pois achavam que era da febre. Não colheram o sangue, não fzeram sequer um leucograma ou um raio X, já que minha filha, apesar de não estar, é asmástica. Vim para casa, no ônibus cuidando para que ela não espirrasse ou tossisse em alguém.Dando um lenço anti-vírus que tenho na bolsa um pacote. No dia seguinte, passei a manhã toda preocupada e telefonando para a Vigilancia Epidemiológica que me informaram do Hospital Otávio Mangabeira onde é referência para essa gripe. Levei minha filha de táxi tb usando o lenço. E lá chegando deram logo máscaras e fizeram os exames e constataram que ela deveria ficar internada logo. Eu voltei para casa após o internamento onde fiquei tb de quarentena até segunda-feira quando fui buscá-la após a alta. Tomou o medicamento Tamiflu que é o anti-viral para influenza A.

Quero informar que o tratamento lá foi muito bom, inclusive os profissionais que ficaram com ela. A alimentação é ótima e a hidratação também.É um isolamento que só não tem televisão pois isso ajudaria o paciente não entrar em crise de isolamento. Apesar de ter levado revistas, palavras cruzadas, rádio para a minha filha.Ela ficou muito estressada com essa doença e me estressou também. Pois a toda hora ligava para mim para conversar no celular querendo sair de lá. Além de eu ficar preocupada se teria ou não a gripe. Se tive foi assintomática. Espero não tê-la, peço a DEUS!

Ainda estamos meio isoladas em casa, mas já liberadas.

Só queria dizer, que o governo não deveria só ficar informando mortes pois isso só causa pânico. Tenho conhecidos que nem mais querem sair de casa com medo. E faz medo mesmo, pois a população não tem um mínimo de asseio e higiene nos lugares públicos, espirrando, tossindo sem proteger as pessoas do lado ou em volta. Imaginem que tem gente que leva nas mãos uma toalhinha de pano e essa toalha serve para assoar o nariz, limpar o suor e depois essa mesma toalha imunda serve para se segurar nos ônibus.Ecaaa! Por isso, dentro da minha bolsa já estou com frasquinho de álccol-gel que serve para higienizar minhas mãos na rua. Enquanto não encontro água e sabão. Penso que os ônibus, schoppings, etc... já deveria ter um recepiente de álcool-gel disponível e avisos de como se prevenir nesses locais.

Não estou paranóica...não só que VIRUS e BACTÉRIAS não ficam esperando os médicos acharem que eles são ou não infecciosos. O tempo de ação deles são infinitamente mais rápido que o nosso!!! Pensem nisso!
Postar um comentário